Menu

Vencendo as batalhas da vida!

Vi uma palestra uma vez onde o palestrante, infelizmente não me recordo o nome, intitulava de “O Espiritismo em minha vida”. Ele relata como superou a perda do filho e esposa durante um acidente que somente ele sobreviveu.Isto me marcou muito e desde então sempre tento observar o que seria de mim sem a minha fé em Deus, e tudo mais que se agrega a isto, seus trabalhadores como Jesus , Maria e tantos outros que creio estar conosco, e também tudo o que a Doutrina Espirita vem esclarecer e fortalecer em minha fé. 

Ano passado engravidei, e confesso que um dos momentos mais felizes da minha vida foi quando fiz a descoberta.Eu e meu companheiro Alexandre planejamos muito este momento, mas não foi nada fácil, passei muito mal no começo, os famosos enjoos, cheguei a parar no hospital pra tomar soro algumas vezes.Passado os primeiros meses, a gravidez seguia, veio a surpresa de saber que era uma menina, ficamos muito feliz e não demorou muito escolhermos o nome , Laura .No sexto mês descobrimos através da ultrassonografia que o colo do útero estava abrindo e que a partir daí eu teria que ficar de repouso absoluto, tomar uma serie de remédios, fazer ultrassom de 15 em 15 dias e a Laura poderia nascer a qualquer momento. Nestes momentos difíceis da vida que paramos para analisar as opções, ou se desespera e se desgasta piorando a situação, ou se apega a Deus e segue em frente. E foi o que fizemos, recebi muito apoio das pessoas próximas, do meu companheiro, mãe , sogra e muitos outros da família e amigos.O chá de fraldas da família foi cancelado e o que foi organizado por colegas do meu serviço só foi feito por que eram poucas pessoas e foi dentro da minha casa  de forma bem simples.Ocupava meu tempo fazendo os enfeites do quarto da Laura e lembrancinhas também, mas em muitos momentos batia a angustia, o medo, vinha o choro, nada que durasse muito tempo, afinal tudo passa. Conseguimos chegar até 35 semanas e 6 dias , praticamente 8 meses, a bolsa estourou um dia depois que tiramos as famosas fotos de gravida, tudo com muito cuidado é claro, mas não ia demorar muito mesmo já que a barriga estava enorme. Quando ela nasceu, foi feito cesariana pois estava sentada e era prematura, o médico achou prudente fazer desta forma.Esquecemos tudo que já havíamos passado e focamos apenas nela, foi muito triste ver nosso bebê nascer e de imediato já ir para incubadora, não sentiu meu cheiro, e eu sem óculos, mau consegui vê-la e já foi levada para a UTIN.Chorei muito mas pedi a Deus força e que cuidasse da nossa pequena. E assim foi feito, a noite mesmo operada consegui com ajuda de Alexandre, meu companheiro, ir até a UTIN e ver a Laura, mau pude ficar 5 minutos, foi uma mistura de emoção ao vê-la e ao mesmo tempo uma tristeza de não poder pega-la nos braços e dar de mamar, de segurar a mãozinha, o pezinho, acariciar os cabelos, cheirar, só vimos ela pelo vidro e fomos embora com uma sensação de impotência tão grande que só nos restava desabafar em choro e pedir a Deus força pra seguir em frente . E assim foi nos próximos dias, ganhei a Laura no dia 04 de setembro, em um domingo, e fiquei até à quarta-feira dia 07 no hospital internada. Eu recebi alta, fui pra casa e ela ficou, quando chegamos em casa minha cunhada Alexandrina havia decorado a casa, estava com aquele cheirinho de Lar , terminou de arrumar o quarto da Laura pois eu não tive tempo, caímos em choro de emoção afinal a “artista principal” da cena não estava presente. Todo dia íamos ao hospital vê-la na UTIM, até que chegou o momento de pegarmos ela no colo, de eu dar de mamar, depois disso foi questão de dias até ela receber alta da UTIM e ir para o quarto. Me  internei no hospital novamente e ai foi mais uma semana no hospital para que ela ganhasse peso e aprendesse a sugar no peito. Ao final da semana no dia 23 de setembro levamos a nossa menina pra casa. Não foi um período fácil no hospital e nem os primeiros meses em casa . Hoje posso dizer que nunca será fácil, a vida aqui na terra tem sim uma programação, o amparo de Deus e da espiritualidade superior, Jesus e sua equipe que nos ampara, nossos anjos da guarda, mas, a luta e as escolhas são nossa , e uma vez tendo alguém que depende de você, a responsabilidade é por toda vida, e isso só se percebe quando se vive a experiência. Como diria nossa queria Tia Adélia, em momentos difíceis :“com Jesus”. Passei por tudo isso pensando dessa forma, “com Jesus”. Não é que não se sofre, que não se chora, mas com Jesus o fardo fica mais leve, o desespero mais brando, a ansiedade controlável, e a calmaria se faz possível. Hoje, as dificuldades não acabaram , voltei a trabalhar e as lutas são outras, mas quem não tem problemas, lutas e dificuldades? Não sou a primeira nem última mãe a trabalha fora não é? O que me consola é que tudo passa... tudo é fase e que a calmaria está sempre ali à nossa frente, em casa momento de alegria que nos acontece, e passa cortando as tristezas como um balde de agua fria em dias de muito calor. 

Depois de todo este relato, tenho aqui o mesmo propósito do palestrante que citei no início do texto, exemplificar que a fé raciocinada, o acreditar no amanhã, a certeza de um Deus bom e justo é o que me manteve seguindo em frente durante todo este processo, ao qual considero como aprendizado. 

Aproveito a oportunidade para agradecer com muito carinho aos meus familiares e aos do Alexandre que nos apoiaram, aos nossos amigos que foram presentes, à todas as pessoas que conviveram e oraram por nós neste periodo.Gostaria de agradecer também aos Médicos Dr. Carlos Alberto Rocha e Dr. Sinésio Eduardo Moreira dos Santos que acompanharam meu Pré-natal, à Dra. Raquel Lanna que por algumas vezes me socorreu no hospital com muito carinho, ao seu esposo Bruno Albuquerque pelo cuidado nas aulas de Pilates e a toda equipe do Hospital Nossa Senhora das Dores que me acolheu neste período que passei lá com minha filha , anestesista, enfermeiros , faxineiros, o pessoal da cozinha, pediatria, enfim, todos. Gostaria também de agradecer especialmente ao Dr. Celio Luiz Fernandes, que tratou tão bem da nossa Laura, bem como  outros médicos que trabalham com ele na UTIN e no bloco cirúrgico, a  Juliana, a Luana a Wilma e a Katia que trabalham na UTIM juntamente com ele e às outras colegas que também cuidaram dela junto com a Luana ou em outros turnos que infelizmente não sei o nome e não cheguei a conhecer todas, mas somos gratos por cada colo que foi dado, cada mamadeira, cada fralda trocada , cada banho, cada lacinho pregado carinhosamente na cabecinha dela, cada acalento que foi dado a nossa filha enquanto não podíamos ficar com ela, à vocês seremos gratos eternamente, e tudo que fizermos ainda será pouco para agradecer as mães e pais que foram para nossa filha em nossa ausência, novamente meu muito obrigado em meu nome, em nome do Alexandre e de toda nossa família. Deus as vezes coloca anjos encarnados em nossas vidas, nós é que muitas vezes não sabemos reconhecer … 

A você que está em luta, em dificuldade, ânimo! Busque nas coisas pequenas razão para seguir em frente, se apegue no que tiver mais próximo, acredite que Deus está contigo! Aceite ajuda, peça ajuda, e saiba que Deus nunca nos desampara e que nenhuma dor é eterna!

 

Última modificação emSegunda, 06 Março 2017 21:05
voltar ao topo

Notícias Regionais

Brasil e Mundo

Ponte Nova

Colunistas

Serviços

  • Esqueceu sua senha?
  • Esqueceu seu usuário?